2018 SERÁ UM ANO MELHOR PARA O MERCADO DA CONSTRUÇÃO CIVIL?