Preço para aluguel de caçamba cai 5% - Aluguel de Caçamba SP

Preço para aluguel de caçamba cai 5%

 

por Vinicius Lousada / Com Tisa Moraes

27/11/2013 - 05h00

Fonte: https://www.jcnet.com.br/noticias/politica/2013/11/394979-preco-para-aluguel-de-cacamba-cai-5.html

 

 

 

 

 

 

                                           Preço vigente                 Novo preço

 

3 metros cúbicos                    R$ 155,00                    R$ 147,25

 

4 metros cúbicos                    R$ 175,00                     R$ 166,25

   

5 metros cúbicos                    R$ 200,00                     R$ 190,00

 

Devem ser depositados em caçambas resíduos de classe A da construção civil, como tijolo, areia, telha, concreto e ferro.

 

A partir de hoje, cairá 5% o valor da locação de caçambas para entulho da construção civil. A redução do preço, que sofreu reajuste médio de 72% após entrar o vigor a nova regulação municipal do setor, foi acordada ontem, em negociação entre a Associação dos Transportadores de Entulhos e Agregados de Bauru (Asten) – que representa as empresas caçambeiras, a única usina de reciclagem desses materiais no município e a Prefeitura de Bauru.

 

 

Após o anúncio, o aluguel de caçambas com capacidade para 3 metros cúbicos de entulho cairá de R$ 155,00 para R$ 147,25. As de 4 metros cúbicos custarão R$ 166,25 em vez de R$ 175,00; e as de 5 metros cúbicos, R$ 190,00 e não mais R$ 200,00.

 

 

Na última sexta-feira, o prefeito Rodrigo Agostinho (PMDB) fez um alerta para que a Asten e o proprietário da usina, João Rays, entrassem em um acordo para que o preço praticado junto ao setor da construção civil não fosse novamente majorado e pudesse, inclusive, ser reduzido.

 

 

O impasse entre as duas partes foi sanado e a usina propôs um preço médio para que os caçambeiros destinem na empresa o material recolhido. Rays pontua que não se recusará a receber caçambas que tenham um ou outro produto que exija destinação específica, mas, para garantir o preço combinado, será necessário bom senso.

 

 

É que a usina tem capacidade para reciclar apenas os resíduos da construção civil de classe A: tijolo, telhas, areia, restos de concreto e ferro, por exemplo. Esta foi a condição para que o empresário oferecesse desconto aos caçambeiros, o que resultou na queda do preço praticado aos geradores.

 

 

O poder público também fará sua parte para que os contratantes das caçambas tenham o desconto de 5%. O valor de R$ 75,00 cobrado da Asten e da usina para cada metro cúbico de lixo orgânico, triado e depositado no aterro sanitário, vai cair. “Vamos definir quanto ficará em reunião amanhã com a Emdurb, que gerencia o serviço”, informou Rodrigo.

 

 

Ele endossa que a prefeitura cederá duas áreas para que a Asten faça a triagem do entulho e enterre os resíduos de classe A. Uma, de 11 mil metros quadrados, fica no Jardim Marambá. Esta deve ser disponibilizada à associação dos caçambeiros até o final da semana.

 

 

A outra, de propriedade da Cohab), próxima ao Mary Dota, ainda depende de ajustes legais, que devem se prolongar por aproximadamente 15 dias. Este terreno tem cerca de 1 alqueire, que equivale a 24.200 metros quadrados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aceituno Jr.

 

 

 

Prefeito Rodrigo Agostinho, João Rays, da usina de reciclagem, e Gerson Pinheiro, da Asten, estiveram ontem no Café com Política, no JC, onde anunciaram o acordo

 

 

União e município exigem destinação correta

 

 

Desde o último dia 15, todo resíduo produzido em obras particulares passou a ser, obrigatoriamente, encaminhado, inicialmente, a uma usina de reciclagem, que será paga para receber, triar e dar a devida destinação a este material, o que provocou o aumento no preço da locação de caçambas.

 

 

Embora a novidade tenha sido recebida com críticas por alguns setores da cidade, incluindo vereadores da Câmara Municipal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos determina que a destinação correta de qualquer dejeto deve ser compartilhada entre todos os geradores de resíduos, incluindo, na lista, fabricantes, comerciantes e consumidores finais.

 

 

Da mesma forma o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil, elaborado pelo município e regulamentado em 2011, entende que o responsável pelas obras é quem deve arcar com o custo do descarte adequado do entulho.

 

 

Presidente da Asten, Gerson Luiz Alves Pinheiro explica que, até então, todos os resíduos recolhidos pelas empresas de caçambas eram destinados, sem qualquer triagem, para áreas de erosões, que já estão praticamente extintas na cidade.

 

 

Por falta de novos locais – e também por conta da proximidade do prazo máximo para implantação da PNRS, em agosto de 2014 -, a Asten decidiu se antecipar e, agora, destina todo o material para a única usina de entulho da cidade.

 

 

 

Materiais inadequados são alvos de multa para gerador e caçambas

 

 

De acordo com as novas regras, assim que solicita a caçamba, o munícipe ou a construtora responsável pela obra tem de informar que tipo de entulho será descartado. Para grandes construções, os engenheiros responsáveis deverão apresentar um Projeto de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil.

 

 

Se nas caçambas forem acondicionados outros resíduos que não o declarado, como lixo orgânico, por exemplo, os geradores ficam sujeitos a multa de R$ 1,2 mil. Já a empresa de caçambas, se fizer o transporte de material que não o especificado, poderá ser autuada em R$ 5 mil.

 

 

A fiscalização, assim como as notificações, ficará a cargo da Secretaria de Meio Ambiente (Semma). Para fazer o controle de todo o processo, os caçambeiros deverão emitir o Controle de Transporte de Resíduos (CTR), documento onde deverão constar a identificação da caçamba utilizada (elas, agora, passam a ser numeradas), dados da empresa ou munícipe gerador, do local de destinação, bem como a quantidade e tipo de resíduo.

 

 

As informações serão repassadas à Semma antecipadamente, assim que o serviço de caçamba for contratado. Após o prazo de sete dias, o resíduo é recolhido e levado à usina, que será remunerada para receber o entulho. Caberá a esta empresa fazer a separação deste resíduo, de acordo com as diferentes classificações existentes. “Jogam de tudo, desde televisão, lâmpada, lixo. Isso é que não pode”, diz o prefeito Rodrigo Agostinho.

 

Há ainda previsão de multas para outras infrações, como desrespeito ao limite de volume de caçamba e, é claro, despejo de entulho em local proibido ou não licenciado.

 

Multas previstas

 

 

Aos geradores

. R$ 500,00 - desrespeitar o limite do volume da caçamba

. R$ 1,2 mil - acondicionar resíduos em desacordo com o conteúdo especificado no CTR

. R$ 4,7 mil - usar transportadores não conveniados junto à Semma

. R$ 100,00 a R$ 5 mil - despejar entulho em local proibido ou não licenciado

 

 

Aos transportadores

. R$ 1,2 mil - desrespeitar o limite do volume da caçamba

. R$ 2,5 mil - realizar o transporte de entulho sem o obrigatório dispositivo de cobertura

. R$ 5 mil - transportar resíduos em desacordo com o conteúdo especificado no CTR

. R$ 5 mil - transportar entulho sem estar conveniado com a Semma

. R$ 5 mil - despejar resíduos da construção civil em locais proibidos ou não licenciados

Facebook
Please reload

Posts Em Destaque